Fondue

#291 O que fazer em Gramado – Rio Grande do Sul, Brasil

Localizada nas Serra Gaúcha, a 100 quilômetros da capital Porto Alegre, Gramado é famosa por ser um destino de inverno. Suas construções seguem a linha de cidades de montanha da Europa, com muitas casas de madeira e arquitetura alemã e italiana.

10401904_581769055299360_2249840538400983205_n

A arquitetura da cidade segue esta linha (Crédito: Reprodução/Portal Gramado)

Eu achei Gramado uma cidade bem “engordativa”. Há várias fábricas de chocolate (dá para visitá-las, aliás) e muitos restaurantes oferecem a chamada “sequência de fondue”. Ela começa com fondue de queijo, para ser comido com pães. Depois, é a vez da carne. A sobremesa é por conta do de chocolate, que é degustado com frutas. Quem não tem limites como eu sairá rolando com toda a certeza. Depois desse jantar, nem conseguir ir beber depois.

A cidade também é terra do café colonial, um super café da manhã com bolos, pães, frios e muitas outras coisas. Alguns restaurantes servem cerca de 80 itens. Mas, após passar pela sequência de fondue, não consegui experimentá-lo por temer morrer de indigestão!

cafe-colonial-bela-vista-gramado-03

Café colonial do Bela Vista Café Colonial (Crédito: Reprodução)

Um atrativo bastante procurado é o Lago Negro, que ganhou este nome por ser rodeado por árvores da Floresta Negra, na Alemanha. A paisagem é bonita e lá dá para fazer um passeio de pedalinho em formato de cisne. E os adultos podem participar!

216774_1992890380167_2355304_n

Pedalinho no Lago Negro

O destino também reúne alguns museus. O Dreamland Museu de Cera exibe esculturas de personalidades conhecidas, como Barack Obama e a cantora Amy Winehouse. O local também investe em ambientes como bar anos 1950 e caverna Indiana Jones. Os ingressos podem ser comprados online .

avatar

Uma das estátuas do Dreamland (Crédito: Reprodução/Dreamland)

Os amantes de carros antigos podem visitar o Museu do Automóvel – Hollywood Dream Cars. O local exalta o glamour do cinema da década de 1950 e exibe máquinas como Cadillacs rabo-de-peixe, motocicletas e um modelo do Ford Victoria conversível de 1956.

Blhkdzz37wWjpM7BwPsiDIjYMSpyVCbEIbxMnjFo

Um dos carros em exposição no Museu do Automóvel – Hollywood Dream Cars (Crédito: Reprodução/Hollywood Dream Cars)

Uma forma de economizar é comprando um passaporte que dá direito a visitar o Museu do Automóvel, o Museu de Cera, o Harley Motor Show, o Salão Super Carros e o Parque Vale dos Dinossauros.

Para entrar no clima de inverno, visite o Snowland. O parque fechado tem 16 mil metros quadrados e conserva a temperatura de -3º durante o ano inteiro. Dá para esquiar, praticar snowboard, patinar no gelo. Para as crianças há outras atrações, como a Oficina do Tio Urso. Os ingressos podem ser adquiridos no site www.snowland.com.br.

936613_933864063358333_8843063609427629212_n

Oficina do Tio Urso, no Snowland (Crédito: Reprodução/Snowland)

Todos os anos, a prefeitura da cidade promove o Natal Luz. O evento costuma começar em outubro e tem vila de Natal, concertos, exposições e paradas. Ainda não divulgaram a data de início deste ano, mas vale acompanhar no site www.natalluzdegramado.com.br.

Também vale uma visita à cidade de Canela, que fica a oito quilômetros, e é muito bonita. A igreja e a cachoeira do Caracol são algumas das atrações do local.

216008_1723082552301_6425517_n

Igreja em Canela

Gramado não tem aeroporto. O mais próximo é o Aeroporto Internacional Salgado Filho, em Porto Alegre. De lá, é possível pegar um ônibus da empresa Citral na rodoviária (a passagem custa a partir de R$29,80) e a viagem dura em torno de 2h30. Outra opção é alugar um carro e aproveitar as belas paisagens da estrada.

Onde: O que fazer em Gramado, Rio Grande do Sul, Brasil

Anúncios

#143 Especial Expo 2015: Pavilhão Suíça – Milão, Itália

O pavilhão da Suíça da Expo 2015 tem um conceito bem legal. Eles quiseram mostrar de forma prática os efeitos do consumismo e criaram um pavilhão que foi sumindo ao longo da exposição.

A área total do pavilhão suíço é de 4433m2 e o ponto alto são as quatro torres repletas de alimentos. Funciona assim: nós entramos num elevador e somos levados até a parte mais alta da primeira torre (todas têm quatro andares). Somos introduzidos a uma salinha repleta de sachês de café Nestlé e uma monitora nos dá as instruções. Podemos pegar quanto quisermos, mas se fizemos isso, outras pessoas ficarão sem. Eu, sinceramente, fiquei sem graça de encher a bolsa, mas tem gente que não liga não. Depois passamos para uma sala com saquinhos com maçã desidratada, depois uma com sal. Na outra sala, a da água, há uma porção de copinhos e uma torneira. Lá somos incentivados a dividir o copo com outra pessoa.

Caixas com saquinhos de café

Caixas com saquinhos de café

Quando a monitora diz que se pegarmos quanto quisermos outras pessoas ficarão sem, ela realmente quis dizer isso. As torres foram divididas em quatro andares e cada um seguiu um cronograma para ser aberto. Então, se os produtos acabassem antes da data para a abertura do próximo andar, quem entrassem ali não encontraria nada. E como eu disse, tem gente que não se importa não. Após duas semanas de abertura da Expo, que ocorreu em 1º de maio, as maçãs e os copos já tinham sido todos levados e foi preciso esperar até 16 de junho para tê-los de novo a disposição dos visitantes. Os produtos da suíça são gratuitos, mas não infinitos.

Caixas com sal

Caixas com sal

“Na Expo nos focamos na inteligência dos visitantes. Do nosso observatório penso que passamos uma mensagem clara e uma reflexão original, abordamos o tema da escassez de recursos, do desenvolvimento sustentável, da responsabilidade individual e coletiva. A visita às torres é uma experiência social forte e que os visitantes não esquecem facilmente”, explicou o embaixador suíço Nicolas Bideau.

O que acontece se levarmos muitas maçãs ou se dividirmos

O que acontece se levarmos muitas maçãs ou se dividirmos

No total foram colocados nas torres 1.344 milhões de saquinhos de sal, 2,5 milhões de saquinhos de Nescafé, 350 mil copos e 420 mil saquinhos com mação desidratada. As maçãs e os copos acabaram totalmente no dia 10 de outubro. Até a semana passada havia sido consumido 43% do café e 53% do sal.

Além das torres, o pavilhão suíço tem uma área relax, onde há apresentações musicais quase diariamente e atividades para as crianças. Uma sala para exposições mostra aspectos da Suíça para os visitantes, como o turismo e o desenvolvimento.

Atividades para as crianças

Atividades para as crianças com os famosos lápis Caren D’Ache

E não podemos esquecer o restaurante com pratos típicos. Há, por exemplo, fondue com queijo gruyère e vacherin fribourgeois, carpaccio de carne de vaca suíça, seleção de queijos e mousse de chocolate suíço para terminar. Por 4,50 é possível comprar um tradicional raclette na parte take away.

Até a semana passada o pavilhão da Suíça havia recebido 1,9 milhões de visitantes e a estimativa é atingir 2 milhões até o final da Expo, que ocorre no dia 31 de outubro. Isso quer dizer que um e cada 10 visitantes que estiveram no evento foram visitar os suíços.

Apresentação no pavilhão da Suíça

Apresentação no pavilhão da Suíça

Na metade deste ano, a Suíça criou uma iniciativa bem interessante para divulgar seu pavilhão e o país em Milão. Um trenzinho levava as pessoas a darem uma volta pelo centro da cidade enquanto participavam de alguma atividade. Fizemos um post sobre a degustação de queijos que pode ser lido aqui.

A Expo será realizada até o dia 31 de outubro e está aberta de segunda a sábado das 10h às 23h e aos domingos até a meia noite. O ingresso inteiro custa 34 euros se você escolher a data da visita ou 39 euros para ser usado qualquer dia. Também é possível comprar para dois dias consecutivos pagando 57 euros. O ingresso noturno (entrada a partir das 18h) custa 5 euros. Os ingressos podem ser comprados nas bilheterias da Expo ou online. Caso escolha comprar pelo site o pagamento só pode ser feito com cartão de crédito e é necessário imprimi-los e apresentar na entrada.

Leia nosso post completo com informações da Expo 2015 aqui. E também os posts sobre outros pavilhões, como o do Brasil aqui.

Onde: Expo 2015, Milão, Itália
Quando: Até o dia 31 de outubro
Quanto: Os ingressos inteiros custam entre 5 euros e 39 euros. Não há custos adicionais para entrar no pavilhão. Mais informações no site www.expo2015.org/it/biglietti