Comida Barata

#527 Conheça a linha de saladas do Ateliê do Sabor

Uma boa solução para quem está viajando e não quer gastar muito é a linha Salada Menu, do Ateliê do Sabor. As refeições foram inspiradas em diferentes tipos de culinária do mundo.

saladas_atelie_do_sabor

A linha Salada Menu tem quatro sabores diferentes

(mais…)

Anúncios

#323 Salsicharia do Imbiss promove evento de cachorro quente – São Paulo, Brasil

A Salsicharia do Imbiss leva suas salsichas para Pinheiros, em São Paulo, no próximo dia 18 de junho. O evento será promovido em frente à Choperia São Paulo, então já sabe: vai ter cachorro quente + cerveja. Melhor combinação!

As opções do cardápio são: Hotdog Alemão – Bratwurst ou Frankfurter, leve e suave, no pãozinho com mostarda: R$15 -, Uber – hotdog com salsicha em dobro: R$20 -, Currywurst – tradicional salsicha no prato com molho de Curry: R$15 -, e Pretzel com mostarda: R$10. Já a choperia oferece mais de 20 opções de chopes paulistanos.

salsicharia

O evento começa às 15h e termina às 21h. O endereço é Rua dos Pinheiros, 315. Para mais informações: (11) 3360-5101.

Onde: Choperia São Paulo. Rua dos Pinheiros, 315, São Paulo

Quando: 18 de junho, das 15h às 21h

Quanto: Preços a partir de R$10 (lanches)

#887 São Paulo Restaurant Week – São Paulo, Brasil

A 18ª São Paulo Restaurant Week acontece até o dia 1º de maio. Então ainda dá tempo de participar! Nesta edição, o almoço custa R$41,90 + R$1 para a Fundação Cafu e o jantar R$52,90 + R$1 para a Fundação Cafu. Eu sempre vou nem que seja a um restaurante e, desta vez, consegui ir até o momento a dois bons lugares.

O Jorge Restaurante, instalado no hotel Etoile Jardins, procura utilizar em suas refeições alimentos frescos e orgânicos. O cardápio do almoço tem como entradas salada gourmet (maçã, salsão, agrião ou rúcula e nozes) ou sopa de lentilhas. Como pratos principais moqueca de camarão ou bife ancho ao molho poivre com tagliatelle com pesto de manjericão. Para finalizar, quindim ou Jorge ao chocolate, uma espécie de petit gateau com sorvete de creme.

imagem_release_610651 (1)

Parte externa do restaurante Jorge – Crédito: Divulgação

O almoço estava bom do começo ao fim. Eu experimentei a sopa de lentilhas, boa e diferente do que eu estava esperando (achei que seria mais encorpada, mas era líquida), o bife ancho ao molho poivre, que leva pimenta, com tagliatelle com pesto de manjericão, que era bem leve e não brigou com o molho. Eu e minha irmã, que estava me acompanhando, pedimos sobremesas diferentes e tanto o quindim quanto o Jorge ao chocolate estavam gostosos.

No jantar o restaurante serve salada Etoile (presunto Parma, nectarina, agrião e rúcula) ou creme de mandioquinha com bacon como entradas, sobrecoxa de frango grelhado com risoto de alho poro ou filé mignon ao molho de ervas com batata no alecrim e aspargos frescos como opções de prato principal e banana grelhada com farofa de granola e sorvete de creme ou cheesecake de chocolate como sobremesas. Como não fui no jantar, não posso dizer como eram estes pratos.

imagem_release_610648 (1)

Parte interna do restaurante – Crédito: Divulgação

Para acompanhar, há entre as opções sucos naturais e água de coco servida no próprio coco. Não resisti e pedi um!

É possível utilizar o estacionamento do hotel. Custa R$15 a primeira hora, R$20 duas horas e R$25 a partir de três horas. Na rua dá para estacionar, mas, dependendo da hora, é necessário utilizar o cartão da zona azul.

Outro lugar que visitei foi o Arábia. Localizado na rua Haddock Lobo, nos Jardins, é especializado em culinária libanesa. Não é a primeira vez que vou a este restaurante e sempre gosto de lá. Desta vez não foi diferente. Durante a Restaurant Week, eles estão servindo no almoço como entradas homus com awarma (carneiro preparado como conserva) acompanhado de confit de carne de cordeiro e pães ou quibe cru ou chanclich, um queijo árabe misturado com tomate, cebolinha salsinha, rabanete e hortelã, acompanhado de pão árabe. Eles dizem que este queijo é picante, mas não achei não.

O homus estava uma delícia e comi metade da cesta de pães com ele, hehehe. Por conta disso, achei que a porção poderia ser um pouquinho menor, para que não cairmos na tentação de comer pães de mais. Mas, mesmo assim, não atrapalhou o restante da minha refeição.

arabia_pratos

Em cima, hambúrguer de faláfel. À esquerda, homus com confit de cordeito e à direita – Crédito: Facebook/Arábia

Como prato principal, hambúrguer de faláfel (frito, feito com fava e grão de bico e condimentado com especiarias ) com molho tarator no pão árabe. É um sanduíche muito bem servido e que leva também tomate, pepino e nabo em conserva e hortelã. Muito bom.

Outra opção é a berinjela ao forno com carne moída e molho de tomate. Acompanha arroz com aletria, uma espécie de macarrão bem fino. Era gostosa, mas os outros dois pratos principais eram melhores.

arabia_berinjela

Berinjela ao forno com carne moída e molho de tomate, do Arábia – Crédito: Facebook/Arábia

A kafta com batata à moda libanesa (batata amassada com cebola, coentro e azeite) estava ótima! Vinham duas kaftas em cima da batata e os sabores combinavam supre bem.

Para finalizar, fruta ou ataif recheado com chocolate e couilis de tamarindo (uma espécie de crepe) sorvete de chocolate ou de halawi, um tradicional doce árabe feito com gergelim. O sorvete de halawi estava bom e o ataif também.

Jpeg

Sorvete de halawi do Arábia

Eu gosto de tomar o suco de tamarindo deles, mas desta vez estava em falta. Custa R$13. Peguei, então, um de limão siciliano com hortelã (R$11) que era gostoso. Segundo meu pai, a caipirinha de vodca com lima da pérsia era bem fraquinha e mais parecia um suco. Custa R$18.

Lá tem serviço de vallet, mas dá para estacionar nas ruas próximas. Dependendo do dia e da hora precisa colocar o cartão da zona azul.

Nesta edição eu não visitei o Amazônia, restaurante especializado na culinária paraense, mas vi que conheço alguns pratos que eles estão servindo. Como entrada, há isca de pirarucu (que é uma das melhores coisas do cardápio) ou tacacá, aquele caldo que leva goma de tapioca, camarão seco, jambu, erva de deixa a língua formigando, e tucupi, feito com raiz de mandioca brava, fervida por dias para tirar seu veneno. O tacacá é bem interessante, mas muito diferente da culinária de São Paulo.

Jpeg

Isca de pirarucu – Uma delícia!

Como pratos principais há costela de tambaqui à dorê com arroz e feijão de Santarém ao vinagrete. Ou camarão à Fafá ao leite de coco, chuchu, jambú, dendê e arroz.

Para finalizar, há creme de bacuri ou sorvetes da Cacau Show. Este foi, na minha opinião, o maior erro deste cardápio. O Amazônia tem uma série de sorvetes diferentes, com frutas do Pará e eles se gabam disso, inclusive, e com razão. Não haveria necessidade alguma de servir um da Cacau Show. Uma pena!

Jpeg

Lá também tem sucos naturais com frutas do Pará

No cardápio do jantar há como entrada tacacá ou isca de pescada amarela, caldeirada de peixe com arroz e pirão ou caranguejada com arroz e farofa na manteiga como pratos principais e pudim de tapioca com castanha ou sorvetes cacau show.

O restaurante fica na Bela Vista, na rua Rui Barbosa. Não tem estacionamento próprio, mas há vários por perto.

Para ver os outros restaurantes que estão participando da São Paulo Restaurant Week, acesse o site http://restaurantweek.com.br.

Onde: 18ª edição da São Paulo Restaurant Week

Quando: até o dia 1º de maio

Quanto: R$41,90 (almoço) e R$52,90 (jantar). Mais informações no site http://restaurantweek.com.br

#46 C’era una volta una piada – Milão, Itália

Há tantas coisas para falar sobre este lugar que nem sei direito por onde começar. “C’era una volta” significa “era uma vez” em italiano. Então já dá para sentir um cheirinho de contos de fadas por aqui. Piada é uma forma de chamar a piadina, uma espécie de lanche feito com um pão similar ao pão folha. Ele é enrolado e pode ter uma infinidade de recheios e combinações, como presunto cru, queijo e rúcula, salame picante e queijo, berinjela e queijo, entre outros.

A piadina campagnola leva mozzarella de búfala, mozzarella defumada, tomate e speck

A piadina campagnola leva mozzarella de búfala, mozzarella defumada, tomate e speck

A C’era una volta una piada tem duas unidades em Milão: a matriz, que fica perto do metrô Reppublica, e uma na Viale Coni Zugna. Eu conheço somente a filial, então vou falar sobre ela. A loja é pequena, mas muito bem decorada. Utiliza objetos e cores que remetem aos contos de fada e o resultado é muito fofo. No balcão dá para ver os funcionários em ação montando a sua piadina. De acordo com a rede os campeões de pedidos são a piadina “Cigno Branco”, que leva presunto, mozzarella e rúcula, a “Pippo”, composta de presunto cru, rúcula e stracchino, que é um queijo molinho, “Regina”, que tem presunto, scamorza defumada, que é um tipo de queijo, fungos e molho cocktail e a “Rosina”, que leva presunto, camarões, rúcula e molho cocktail.

Apesar de grande parte das piadinas ter alguma carne entre os ingredientes, os vegetarianos podem ficar tranquilos, pois também há opções para eles. Uma delas é a “Tricolore”, que leva mozzarella, tomatinho, rúcula e queijo grana. Outra é a “Grilletta”, composta por berinjela, abobrinha, cogumelos e mozzarella. Também há uma versão vegana, a “Vega”, que leva berinjela, abobrinha, tomate e homus.

Piadina "Gustosissima" leva squacquerone, tomate, rúcula e azeite de oliva

Piadina “Gustosissima” leva squacquerone, tomate, rúcula e azeite de oliva

Se quiser fechar com um docinho há três opções de piadinas doces: a “Candy”, que é recheada com Nutella, a “Coccon”, que tem Nutella e coco ralado e a “Stellina”, composta por Nutella e nozes.

Todas as quintas-feiras, a loja do metrô Reppublica abre das 18h30 às 23h para um jantar a luz de velas, emprestando uma atmosfera romântica ao lugar. Não é uma refeição feita por um chef estrelado, mas garanto que é uma delícia!

Dá para ver que eles gostam de colocar frios nas piadinas :)

Dá para ver que eles gostam de colocar frios nas piadinas 🙂

Mas o jantar a luz de velas não é o evento mais legal realizado por eles. Em Milão em muitos bares dá para fazer um aperitivo, onde você paga por uma bebida e ganha comida de graça, algumas vezes no sistema all you can eat. Ainda bem que a C’era una volta resolveu aderir e realizar uma vez por mês a “apepiada”, que é a junção das palavras “aperitivo” e “piadina”. Esse é um dos aperitivos que mais valem a pena na cidade em minha opinião. Por apenas 6 euros você ganha uma taça de vinho e pode comer piadina até desmaiar. As piadinhas são preparadas na hora e cortadas em pedaços para facilitar na hora de comer. São feitos vários sabores, inclusive a opção vegetariana.  Só fiquei um pouco frustrada, pois descobri que não é tão fácil assim comer um monte de piadina. Mas vale muito a pena mesmo assim!

Pessoal montando as piadinas

Pessoal montando as piadinas

Tirando a parte da comida a vontade, durante a apepiada o clima de conto de fadas continua bem presente. O evento começa às 20h e quem chega antes do horário dá de cara com as portas fechadas, não dá nem para ver dentro da loja. Às 20h em ponto as portas começam a se abrir e somos recebidos por um personagem como o Pinóquio. Lá dentro há fadas, princesas e a decoração é uma gracinha. Uma das princesas cobra a entrada e nos dá uma ficha e uma pulseirinha de identificação. Aí você vai ao bar retirar o seu vinho e depois passa para a parte do balcão de piadinas e começa a comilança. Se quiser beber mais de uma taça pode, mas é preciso pagar. Só a comida é liberada. E até às 22h é o seu estômago quem manda!

Apepiada do "Estranho Mundo de Jack"

Apepiada do “Estranho Mundo de Jack”

Onde: C’era una volta una piada, Milão, Itália

Quando: Consulte os horários no site www.ceraunavoltaunapiada.it/

Quanto: A apepiada custa 6 euros. As piadinas têm preços variados

#142 Especial Expo 2015: Pavilhão Malásia – Milão, Itália

O pavilhão da Malásia escolheu abordar seus esforços no campo de sustentabilidade e inclusão. Com o tema “Rumo a um ecossistema de alimentos sustentável”, visa mostrar seu Programa Nacional de Áreas Econômicas Chaves, como a agricultura, o óleo de palmeira, a borracha e o turismo e a dinâmica entre avanço econômico e preservação do meio ambiente. De acordo com o pavilhão, a Malásia alcançará o patamar de país desenvolvido em 2020.

A parte externa do pavilhão é interessante e tem formato de quatro sementes. O design tem como objetivo refletir a diversidade e o dinamismo da nação asiática. Dentro de cada semente um tema diferente é abordado.

Um das sementes que foram o pavilhão da Malásia

Uma das sementes que foram o pavilhão da Malásia

Quando entramos somos acomodados em uma sala repleta com sofás e ali assistimos a um vídeo. Depois começa a exposição. A primeira parte é chamada de “Nossa casa – De agora para o futuro” e descreve a necessidade do país em preservar o meio ambiente e a crescer economicamente.

"Floresta" dentro do pavilhão

“Floresta” dentro do pavilhão

A segunda semente tem como tema “Paraíso da diversidade” e ali dá para ver representações das seringueiras, árvore de onde é extraída a borracha. A Malásia, assim como o Brasil, também tem em seu território uma floresta tropical como a Amazônia.

Representação da extração da borracha

Representação da extração da borracha

Na terceira semente, a “Semente da mudança”, são mostradas algumas áreas de destaque e planos para o futuro. Há cantinho lembrando o trabalho do estilista de sapatos Jimmy Choo, que é natural da Malásia.

Painel com informações sobre a Malásia

Painel com informações sobre a Malásia

A última parte abriga um teatro onde ocasionalmente são feitas apresentações sobre cultura, culinária, música e suas etnias.

Produtos da Malásia

Produtos da Malásia

O restaurante fica na parte externa e tem opções da culinária do país. Você pode experimentar, por exemplo, o veat ayam pandan, espécie de almôndegas vegetarianas enroladas em folhas pandan. Custa 6 euros. Como sobremesa dá para pedir um pudim de manga por 4 euros. Eles também servem sucos naturais, como o de carambola.

Veat ayam pandan: bolinho vegetariano envolto em folha

Veat ayam pandan: bolinho vegetariano envolto em folha

A Expo será realizada até o dia 31 de outubro e está aberta de segunda a sábado das 10h às 23h e aos domingos até a meia noite. O ingresso inteiro custa 34 euros se você escolher a data da visita ou 39 euros para ser usado qualquer dia. Também é possível comprar para dois dias consecutivos pagando 57 euros. O ingresso noturno (entrada a partir das 18h) custa 5 euros. Os ingressos podem ser comprados nas bilheterias da Expo ou online. Caso escolha comprar pelo site o pagamento só pode ser feito com cartão de crédito e é necessário imprimi-los e apresentar na entrada.

Leia nosso post completo com informações da Expo 2015 aqui. E também os posts sobre outros pavilhões, como o do Brasil aqui.

Onde: Expo 2015, Milão, Itália
Quando: Até o dia 31 de outubro
Quanto: Os ingressos inteiros custam entre 5 euros e 39 euros. Não há custos adicionais para entrar no pavilhão. Mais informações no site www.expo2015.org/it/biglietti

#100 Fast Food de Pierogi: Zapiecek – Cracóvia, Polônia

Uma forma de comer bem e gastar pouco na Polônia é experimentar o pierogi, uma espécie de bolinho com recheios diversos, que vão desde frutas até carne. Em Cracóvia é provável que quase todos os restaurantes da cidade tenham pierogi no cardápio, mas no Zapiecek o diferencial é que eles são especializados nisso.

O pierogi é um dos mais tradicionais pratos da culinária polonesa. Os bolinhos têm um estilo parecido com o gyoza japonês, com uma massa e uma consistência um pouco mais moles. São cozidos e servidos cobertos por cubinhos de bacon.

O Zapiecek é um lugar bem pequeno e rústico e tem algumas mesas e cadeiras. Eu e minha irmã o apelidamos de fast food de pierogi, pois o esquema é pedir no balcão e esperar ser chamado – ninguém te serve na mesa.

Balcão do Zapiecek onde são feitos e retirados os pedidos

Balcão do Zapiecek onde são feitos e retirados os pedidos

No cardápio há 17 tipos de pierogi, como os tradicionais carne de porco (15 zlotys), o russo, que é recheado com queijo cottage e batatas (11 zlotys) e o repolho com cogumelos (12 zlotys). Há outros diferentes como o de maçã (11 zlotys), salmão com espinafre (18 zlotys) e o com trigo sarraceno e fígado (11 zlotys). Uma boa é pedir o mix de pierogi tradicionais, que tem o russo, o carne de porco e o repolho com cogumelos. Custa 12 zlotys e o legal é que dá provar mais de um sabor.

Mix de pierogi tradicionais: dá para provar três sabores diferentes

Mix de pierogi tradicionais: dá para provar três sabores diferentes

O outro combo é o mix de pierogi chiques com os sabores brócolis, espinafre e trigo sarraceno e fígado. Trigo sarraceno é um grão bastante utilizado na culinária russa. O preço é o mesmo, 12 zlotys.

Parte interna do restaurante

Parte interna do restaurante

Todos os pratos são compostos por 10 pierogi, o que serve para te deixar quase satisfeito. O problema é que é difícil comer mais do que isso, mesmo sendo muito gostoso. Acho que a massa começa a deixar a tarefa menos prazerosa quando você já está chegando ao décimo bolinho. Se depois de comer o seu prato sentir que ainda precisa comer mais alguma coisa, vá tomar um sorvete ou comer um dos ótimos doces que dá para encontrar pela cidade. Gente, a comida polonesa é muito boa, não tenha medo de provar tudo o que for possível!

O cardápio é bilíngue (polonês e inglês) e, caso quem te atender não falar inglês, sempre dá para utilizar o bom e velho truque de apontar.

Cardápio em inglês do Zapiecek

Cardápio em inglês do Zapiecek

O valor do zloty é bem parecido com o real. Na cotação de hoje (09), o mix vegetariano, por exemplo, custaria R$12,05.

O Zapiecek está aberto todos os dias das 10h às 21h e está localizado dentro do centro velho, na rua Slawkowska, 32.

Onde: Zapiecek, Cracóvia, Polônia
Quanto: O prato com 10 pierogi custa a partir de 8 zlotys
Quando: Está aberto todos os dias das 10h às 21h

#65 Amsterdam Chips – Milão, Itália

Quer se sentir na Holanda estando em Milão? É só dar uma passadinha na Amsterdam Chips. Esta rede é especializada em batatas fritas e as serve em cones, com ou sem molho, bem ao estilo das holandesas.

Cone de batat com molho. Huuum!

Cone de batata com molho. Huuum!

Há três tamanhos: pequeno, médio e família, com preços a partir de 3,50 euros. É bom avisar que a pequena já é bastante grande e, dependendo da fome, dá para dividir com outra pessoa. Todos os cones são acompanhados de um dos 14 molhos disponíveis na loja, que passam pelos simples ketchup ou maionese, até outros mais diferentes como o pita, que lembra o molho colocado no lanche kebab e que fica uma delícia com batata frita!

A loja também vende cervejas holandesas para os clientes entrarem ainda mais no clima. Os rótulos são variados e abrangem cervejas claras, escuras, vermelhas, com gosto suave ou mais marcante.

Uma das cervejas holandesas vendidas na loja

Uma das cervejas holandesas vendidas na loja

Em Milão a rede está presente em três endereços: Via Torino, Corso Buenos Aires e Corso San Gottardo. Apesar de o post ser sobre a Amsterdam Chips em Milão, a rede teve sua primeira loja aberta em Turim. Lá são cinco endereços e um sexto está próximo de ser inaugurado. Eu já fui duas vezes à loja da Via Garibaldi, em Turim, e sinceramente achei que as batatas eram mais gostosas em Milão. Das duas vezes estavam queimadas e o molho pita não tinha o mesmo sabor. Mas também pode ter sido um belo de um azar, não sei.

Para quem quiser conhecer melhor as batatas da Amsterdam Chips acesse o site www.amsterdamchips.com.

Onde: Amsterdam Chips, Milão, Itália
Quanto: Preços a partir de 3,50 euros