Mês: outubro 2015

#138 Especial Expo 2015: Pavilhão Brasil – Milão, Itália

O Pavilhão do Brasil está localizado no começo da Expo e é um dos mais visitados do evento, chegando a 15 mil visitantes por dia. Talvez tanta procura seja por causa da entrada do pavilhão. Os visitantes são convidados a subir até o primeiro andar caminhando sobre uma rede feita com cordas grossas e resistentes. É bem legal, mas me deu um medinho na parte mais alta (sou medrosa, tenho medo de altura).

Quem tem dificuldade de locomoção pode subir por uma rampa ao lado. Quem não tem deve aproveitar o circuito e se divertir. Antes de subirmos somos avisados pelos monitores que só podemos tirar fotos na parte de cima, para não criar um bolo de gente pelo caminho.

A rede na entrada é a parte mais divertida do pavilhão

A rede na entrada é a parte mais divertida do pavilhão

Terminado o caminho das cordas, chegamos ao primeiro andar do pavilhão, onde está localizada a churrascaria e as salas de conferências. O restaurante é caro, o rodízio custa 45 euros e não serve muitos dos cortes que costumamos comer aqui no Brasil. Mas tem picanha, frango, linguiça, costelinha de porco, peito de peru com bacon, lombinho com queijo e abacaxi com canela. Como acompanhamento tem arroz, feijoada, vinagrete e bananas fritas. Quem não quiser rodízio pode pedir outra coisa, como a moqueca de peixe, que custa 30 euros. E há duas opções de sobremesas: mousse de maracujá ou abacaxi grelhado com canela (8 euros cada). E como não poderia faltar, a caipirinha pode ser comprada por 10 euros.

Cardápio do restaurante do Pavilhão Brasil

Cardápio do restaurante do Pavilhão Brasil

Descendo as escadas chegamos a uma lojinha com produtos brasileiros totalmente inflacionados. Um pacotinho de 250g de café Pilão custa 18 euros. Um kit para fazer caipirinha custa 90 euros e é composto por um copo, um socador, uma tábua no formato do território brasileiro e uma pinga Sagatiba. Uma cestinha de capim dourado – linda por sinal – custa 200 euros. Para nós brasileiros não faz sentido nenhum gastar tudo isso por estes produtos, mas pode ser interessante para os gringos.

Kit caipirinha: na cotação atual custa cerca de R$400

Kit caipirinha: na cotação atual custa cerca de R$400

Andando mais um pouco há o café que vende comidinhas como pão de queijo (5 euros), coxinha (5 euros), suco natural de frutas (7 euros) e sanduíches, como o de picanha, alface e tomate (10 euros).

O café vende comidinhas típicas brasileiras, como a coxinha

O café vende comidinhas típicas brasileiras, como a coxinha

Na parte de fora há uma série de plantas brasileiras. O tema proposto pelo pavilhão para discutir a nutrição foi “Alimentar o Mundo com Soluções”. Com sua participação na Expo 2015, o Brasil procura “demonstrar a própria capacidade de aumentar a produção alimentar e satisfazer a demanda mundial através de tecnologias sustentáveis e avançadas”.

No pavilhão há amostras de algumas plantas brasileiras

No pavilhão há amostras de algumas plantas brasileiras

A Expo será realizada até o dia 31 de outubro e está aberta de segunda a sábado das 10h às 23h e aos domingos até a meia noite. O ingresso inteiro custa 34 euros se você escolher a data da visita ou 39 euros para ser usado qualquer dia. Também é possível comprar para dois dias consecutivos pagando 57 euros. O ingresso noturno (entrada a partir das 18h) custa 5 euros. Os ingressos podem ser comprados nas bilheterias da Expo ou online. Caso escolha comprar pelo site o pagamento só pode ser feito com cartão de crédito e é necessário imprimi-los e apresentar na entrada.

Leia o nosso post completo sobre a Expo 2015 aqui.

Onde: Expo 2015, Milão, Itália
Quando: Até o dia 31 de outubro
Quanto: Os ingressos inteiros da Expo custam entre 5 euros e 39 euros. Para entrar no pavilhão não há custos adicionais. Mais informações no site www.expo2015.org/it/biglietti

Anúncios

#137 Especial Expo 2015 – Primeira Parte: Informações Gerais – Milão, Itália

A Exposição Mundial, ou Expo como também é conhecida, teve sua primeira edição realizada em 1851 em Londres, na Inglaterra. No começo servia mais para cada país participante mostrar suas inovações tecnológicas em desenvolvimento e como uma forma de prestígio. Com o tempo, passou a ser utilizada como uma plataforma de discussão e resolução de problemas universais, como o urbanismo, tema do evento em Shangai em 2010.

A Expo é realizada a cada cinco anos e tem a duração de seis meses. Cada edição tem lugar em uma cidade diferente. É como as Olimpíadas: sempre muda de localidade, mas pode haver repetições.

Obra "I guardiani del cibo", de Dante Ferretti, localizada na entrada da Expo Milão

Obra “I guardiani del cibo”, de Dante Ferretti, localizada na entrada da Expo Milão

Uma curiosidade sobre a Expo. Sabe a Torre Eiffel, um dos símbolos de Paris e com certeza uma das atrações mais visitadas da França? Foi construída em ocasião da Expo 1889, que foi realizada naquele ano na cidade luz. Na época era a torre mais alta do mundo e atraiu milhões de visitantes que queriam ter uma bela vista lá de cima. A excitação foi tamanha que muitas pessoas estiveram dispostas a subir todos os seus degraus (são 1710 até o topo), pois o elevador não estava funcionando nos primeiros dez dias do evento.

A edição atual está sendo realizada em Milão, na Itália, e teve início em 1º de maio. Acaba agora no final de outubro e tem como tema a nutrição. Estão participando 145 países, inclusive o Brasil, e cada um tem um pavilhão.

Vista aérea da Expo Milão

Vista aérea da Expo Milão

Então se você está pensando em aproveitar esse restinho da Expo, é bom ficar atendo a algumas dicas. Agora na reta final as filas estão bem grandes e a espera para entrar em alguns pavilhões chega a algumas horas. De acordo com a mídia italiana, a situação durante as manhãs é melhor e piora a partir das 16h. Os finais de semana (principalmente os sábados) são os dias mais lotados. Para ter uma ideia a Expo recebeu 272.785 visitantes só no dia 10 de outubro (um sábado). É gente que não acaba mais.

A Expo é enorme e é quase impossível ver todos os pavilhões em apenas um dia. Em alguns deles a visita dura meia hora, 40 minutos, mais a espera. Uma ideia é se programar antes e escolher os pavilhões que mais te interessam. Ao longo da semana iremos publicar posts sobre alguns países.

Planta geral da Expo para ter uma ideia de seu tamanho

Planta geral da Expo para ter uma ideia de seu tamanho

Antes de entrar na Expo é necessário passar por um controle de segurança, com detector de metal como os dos aeroportos. E as filas podem começar a se formar desde ali. Vá preparado para andar bastante e para esperar na fila dos pavilhões mais concorridos, como o do Brasil, da Itália e do Japão. Nos dois últimos meses a espera tem sido grande, então tenha paciência. Ou deixe para lá e escolha outros para visitar.

A Expo já teve dias com filas enormes - mas não foi sempre assim

A Expo está tendo alguns dias com filas assim

Além dos pavilhões de países há alguns de empresas ou organizações, como o dos chocolates Lindt. Esse é pequeninho, começa com uma mostra de fotos contando a história da empresa e depois entramos na parte mais legal: uma linha de produção artesanal de chocolates. Eles são feitos e decorados ali na hora e podemos ver os funcionários com a mão na massa. No final ganhamos uma amostra grátis fresquinha! Depois há uma lojinha com produtos da marca, mas os preços são os mesmos dos supermercados.

Fábrica de chocolates da Lindt

Fábrica de chocolates da Lindt

Outra coisa legal são os restaurantes. Praticamente todos os pavilhões têm um restaurante com comidas típicas do país. Mas é bom ficar atento, pois alguns fecham cedo. Os preços são meio salgados e nem sempre valem aquilo que compramos, mas pode ser uma forma de conhecer culinárias menos acessíveis a nós, como a do Cazaquistão, por exemplo. Lá dá para comer carne de cavalo e tomar vodca gastando cerca de 30 euros.

Fachada do pavilhão do Cazaquistão

Fachada do pavilhão do Cazaquistão

Para chegar à Expo é fácil e o melhor é ir de metrô. É só descer na estação Rho Fiera Milano (linha vermelha) e seguir as indicações. O bilhete normal não serve para este trajeto, é necessário comprar um que custa 2,50 euros ou 5 euros ida e volta. Na maquininha de autoatendimento é bem fácil de identifica-lo. O melhor é já comprar o ida e volta para evitar filas.

A Expo fica ao lado da estação Rho Fiera Milano

A Expo fica ao lado da estação Rho Fiera Milano

A Expo será realizada até o dia 31 de outubro e está aberta de segunda a sábado das 10h às 23h e aos domingos até a meia noite. O ingresso inteiro custa 34 euros se você escolher a data da visita ou 39 euros para ser usado qualquer dia. Também é possível comprar para dois dias consecutivos pagando 57 euros. O ingresso noturno (entrada a partir das 18h) custa 5 euros. Os ingressos podem ser comprados nas bilheterias da Expo ou online. Caso escolha comprar pelo site o pagamento só pode ser feito com cartão de crédito e é necessário imprimi-los e apresentar na entrada.

Onde: Expo 2015, Milão, Itália
Quando: Até o dia 31 de outubro
Quanto: Os ingressos inteiros custam entre 5 euros e 39 euros. Mais informações no site www.expo2015.org/it/biglietti

#100 Fast Food de Pierogi: Zapiecek – Cracóvia, Polônia

Uma forma de comer bem e gastar pouco na Polônia é experimentar o pierogi, uma espécie de bolinho com recheios diversos, que vão desde frutas até carne. Em Cracóvia é provável que quase todos os restaurantes da cidade tenham pierogi no cardápio, mas no Zapiecek o diferencial é que eles são especializados nisso.

O pierogi é um dos mais tradicionais pratos da culinária polonesa. Os bolinhos têm um estilo parecido com o gyoza japonês, com uma massa e uma consistência um pouco mais moles. São cozidos e servidos cobertos por cubinhos de bacon.

O Zapiecek é um lugar bem pequeno e rústico e tem algumas mesas e cadeiras. Eu e minha irmã o apelidamos de fast food de pierogi, pois o esquema é pedir no balcão e esperar ser chamado – ninguém te serve na mesa.

Balcão do Zapiecek onde são feitos e retirados os pedidos

Balcão do Zapiecek onde são feitos e retirados os pedidos

No cardápio há 17 tipos de pierogi, como os tradicionais carne de porco (15 zlotys), o russo, que é recheado com queijo cottage e batatas (11 zlotys) e o repolho com cogumelos (12 zlotys). Há outros diferentes como o de maçã (11 zlotys), salmão com espinafre (18 zlotys) e o com trigo sarraceno e fígado (11 zlotys). Uma boa é pedir o mix de pierogi tradicionais, que tem o russo, o carne de porco e o repolho com cogumelos. Custa 12 zlotys e o legal é que dá provar mais de um sabor.

Mix de pierogi tradicionais: dá para provar três sabores diferentes

Mix de pierogi tradicionais: dá para provar três sabores diferentes

O outro combo é o mix de pierogi chiques com os sabores brócolis, espinafre e trigo sarraceno e fígado. Trigo sarraceno é um grão bastante utilizado na culinária russa. O preço é o mesmo, 12 zlotys.

Parte interna do restaurante

Parte interna do restaurante

Todos os pratos são compostos por 10 pierogi, o que serve para te deixar quase satisfeito. O problema é que é difícil comer mais do que isso, mesmo sendo muito gostoso. Acho que a massa começa a deixar a tarefa menos prazerosa quando você já está chegando ao décimo bolinho. Se depois de comer o seu prato sentir que ainda precisa comer mais alguma coisa, vá tomar um sorvete ou comer um dos ótimos doces que dá para encontrar pela cidade. Gente, a comida polonesa é muito boa, não tenha medo de provar tudo o que for possível!

O cardápio é bilíngue (polonês e inglês) e, caso quem te atender não falar inglês, sempre dá para utilizar o bom e velho truque de apontar.

Cardápio em inglês do Zapiecek

Cardápio em inglês do Zapiecek

O valor do zloty é bem parecido com o real. Na cotação de hoje (09), o mix vegetariano, por exemplo, custaria R$12,05.

O Zapiecek está aberto todos os dias das 10h às 21h e está localizado dentro do centro velho, na rua Slawkowska, 32.

Onde: Zapiecek, Cracóvia, Polônia
Quanto: O prato com 10 pierogi custa a partir de 8 zlotys
Quando: Está aberto todos os dias das 10h às 21h

#82 Pousada Janellas do Mar – Armação dos Búzios, Brasil

Já começo o post dizendo que esta pousada não é para os fracos. Quem for sem carro terá que subir duas subidas para chegar lá. Mas a parte boa é ganhar uma bela vista da cidade.

A pousada Janellas do Mar está localizada na praia João Fernandes, em Búzios, cidade situada na região dos lagos do estado do Rio de Janeiro. Ela não é beira mar e fica em cima de um morrinho. Quem ficar nos quartos do andar superior consegue ter uma vista da própria sacada. Quem não ficar pode aproveitar nas áreas comuns.

Dá para tomar café da manhã com vista

Dá para tomar café da manhã com vista

Em Búzios muitas pousadas tem o preço inflacionado e cobram mais do que deveriam. Por isso é bom sempre pesquisar bastante antes de reservar. Eu consegui uma promoção e paguei R$175 pela diária em quarto duplo, com café da manhã incluso. Achei o preço bem ok, mas não acho que valeria a pena pagar muito mais do que isso para ficar na Janellas do Mar.

Se tiver sorte pode receber a visita de um macaquinho

Se tiver sorte pode receber a visita de um macaquinho

Os quartos são simples e seguem o estilo rústico. A cama é confortável, tem televisão, frigobar e um banheiro bem chinfrim, com cortina de plástico e um piso com uma cor que dava a impressão de estar sempre encardido. A varanda é bem legal, tem rede e oferece privacidade. Do meu quarto dava para ver a piscina e um pouco da cidade e do mar.

Um dos quartos da pousada

Um dos quartos da pousada

O hotel está cercado de árvores e para reforçar ainda mais o clima “selva” recebi a visita de um macaquinho durante o café da manhã! Falando em café da manhã, achei simples, mas bem gostoso, todos os dias mudavam alguns itens e tinha um pastelzinho maravilhoso! Os sucos eram meio x, mas davam para o gasto. As mesas do café da manhã são montadas no térreo, mas é possível levar sua comida para o andar de cima e comer com vista para o mar. Fiz isso todos os dias e adorei!

O café da manhã era bem gostoso

O café da manhã era bem gostoso

Quando me hospedei no Janellas do Mar (em julho deste ano) estavam reformando alguns quartos, parte das áreas comuns e o jardim, mas nada que tenha atrapalhado o sossego. Se isso for um problema para você é bom dar uma ligadinha antes para saber se as reformas já terminaram.

Do hotel dá para ir andando para as praias Azeda, Azedinha, João Fernandes e João Fernandinho. Na volta tem que subir duas subidas para chegar ao hotel, mas se você não tem nenhum problema físico ou não for extremamente sedentário, acho que dá para ir de boa. Para voltar do centro dá para entrar pela entrada da piscina, que não fica num morro. Mas é preciso subir algumas boas escadas por dentro do hotel até chegar aos quartos. Eu achei de boa, não atrapalhou não.

Praia Azeda, em Búzios

Praia Azeda, em Búzios

Quem for sem carro e não quiser ficar andando por Búzios a pé, dá para pegar uma van e ela para pertinho dessa entrada da pousada pela piscina. É só pedir para a recepcionista dizer o nome da “parada” e pedir para o motorista. Em Búzios há vans durante o dia todo, inclusive durante a madrugada, e custa apenas R$2,50 por pessoa. Aliás, quem chegar de ônibus dá para pegar uma dessas vans para ir a pousada, não é preciso ir de táxi não – a menos que você tenha muita bagagem.

Praia João Fernandes, em Búzios

Praia João Fernandes, em Búzios

Eu usei a van só quando cheguei, para ir da rodoviária ao hotel. Para ir às praias Azeda, Azedinha, João Fernandes e João Fernandinho são uns 10, 15 minutos. Para ir ao centro são uns 20 minutos, dá para ir de boa a pé.
Eu recomendo o hotel dependendo do preço da diária (não pagaria mais de R$200) e para quem não se importa em caminhar e encarar subidas. Idosos, crianças ou pessoas com dificuldades de locomoção devem passar longe de lá – e para completar, a pousada tem escadas.

Uma dica é entrar em contato direto com o hotel e perguntar se eles dão alguns descontos. Eles ofereceram 10% de desconto em relação ao valor que o Booking.com estava cobrando, mas é preciso pagar o valor integral das diárias antecipadamente.

Onde: Pousada Janellas do Mar, Búzios, Brasil
Quanto: Depende da época. Consulte o site do hotel para saber o valor da diária

#66 Neko Café: um café onde os gatos são as estrelas – Turim, Itália

Está em Turim, na Itália, e adora gatos? Então você precisa conhecer o Neko Café, o primeiro “cat café” da cidade. O café foi inaugurado em abril de 2014 e posso afirmar que é realmente um diferencial tomar um cappuccino na companhia de um gatinho. ❤

Um dos gatos do Neko Café

Um dos gatos do Neko Café

Apesar de ter sido aberto recentemente, o café passou por uma repaginada no último mês de agosto. A primeira mudança é que o número de gatinhos subir de sete para nove, com a entrada de Tommy e Sammy no time. O local agora conta com uma sala de chá da tarde, que pode ser convertida em cinema, sala do café e uma área para os gatos brincarem.

Os gatos têm vários circuitos dentro do café

Os gatos têm vários circuitos dentro do café

Também foi criada a sala Ristogatto, onde os humanos podem fazer suas refeições e os gatos só tem acesso na parte de cima, em seu circuito suspenso. Faz sentido, pois não deve ser fácil para qualquer pessoa comer com os peludos subindo no colo, na mesa, etc.

Num cat café a prioridade são os gatos, é preciso respeitar a vontade deles. A porta de entrada tem segurança dupla para nenhum deles sair correndo por ali. Lá dentro há uma série de circuitos para eles caminharem, além de cestinhas para dormirem e brinquedinhos. Há alguns ambientes que nós não temos acesso e onde os peludos vão quando não querem interação com humanos.

Esse gato passou o tempo todo dormindo

Esse gato passou o tempo todo dormindo

Quando eu estive no Neko Café não pude conhecer todos os gatos, alguns deles estavam fora de vista. Um estava dormindo numa cesta e ficou assim o tempo todo. Mas outro, um preto, estava passeando pelo salão. Eu fiquei sentada com meu cappuccino querendo fazer carinho nele e ele nem aí para mim. Chamei, faltei plantar bananeira e ele nem ligou. Ele já estava se afastando de onde eu estava, mas, do nada, parou, olhou na minha direção e pulou no meu colo. E ficou ali por uns bons minutos até cansar de mim de novo. Uma das funcionárias me disse que esse gatinho, o Wether, quando chegou lá não queria ir para o salão de jeito nenhum. Mas, uns dias depois, resolveu sair da toca e se tornou super sociável. Ele era bem simpático mesmo e me deixou ficar fazendo carinho e tirando fotos dele.

O Wether resolveu me dar uma chance e subiu no meu colo

O Wether resolveu me dar uma chance e subiu no meu colo

Além de amar os gatos, no Neko Café também dá para comer e beber. Eles servem coisas básicas de cafeterias, como tortas, bolos, croissants, cafés, chás, além de refeições, também com opções vegetarias e veganas.

E ele até posou para as fotos! <3

E ele até posou para as fotos! ❤

O Nekó Café funciona de terça a domingo, das 11h às 23h. Às segundas-feiras está fechado para os gatinhos descansarem. Todos os gatos que moram lá foram adotados e eles fazem campanhas para incentivar a prática.

Mais informações no site www.nekocafe.it.

Onde: Neko Café, Turim, Itália
Quando: Terça a domingo, das 11h às 23h
Quanto: Os preços variam de acordo com o item escolhido, mas não são altos